Desmistificando o budismo

Hi, my lovely readers!!!
Para quem não sabe, sou budista :O pois é, isso data de Junho do ano passado. Desde então, tive vontade de escrever um pouco mais acerca dessa religião, sobre a qual a maioria das pessoas tem uma ideia equivocada (eu também tinha). 




Pra começar, é importante saber que não existe apenas um budismo, mas várias vertentes. 
A minha se chama budismo de Nichiren Daishonin. Quando pensamos em budismo, logo vem à mente, a imagem do buda gordinho, meditações, monges carecas, privação de bens materiais etc. 
Mas ops, essas características não se aplicam ao budismo no qual acredito. Nós não adoramos estátuas, não nos privamos de bens materiais, não meditamos nas montanhas e nem usamos roupas de monges budistas (não que isso não seja algo legal, mas é de outra vertente). 
O budismo de Nichiren Daishonin considera o contexto no qual vivemos, diferente de várias religiões que parecem não compreender que a sociedade muda. Para nós, não existe apenas um único buda, afinal, todos somos budas. O que significa ser buda? Ser buda é atingir o estado de buda, um estado de vida que corresponde à "felicidade absoluta"... "Nossa Tiemi, tá doida.. que negócio é esse de felicidade absoluta? isso é impossível". Calma gente kkk, felicidade absoluta é encontrar a felicidade dentro de você mesmo, é entender que se as coisas estiverem em paz na sua mente, não importa o que acontecer.. você estará feliz (é uma questão de lógica). As felicidades externas são ótimas, mas a interna é melhor ainda e não depende de ninguém além de você mesmo. Ser buda é não desistir mesmo em meio às dificuldades, é ser uma pessoa melhor para o mundo, é ter respeito pelo outro, é querer que todos sejam felizes também. Sendo assim, consideramos que todos são budas, todos tem dentro de si esse estado (até aqueles que não são budistas); porém, alguns conseguem despertar esse estado e outros ainda não sabem que podem conseguir. Como eu atinjo isso? No budismo de Nichiren, nós recitamos uma frase que deriva do sânscrito: Nam-myoho,renge-kyo. Minha nossa o que significa isso?? Basicamente: "Devotar-se ao Sutra de Lótus, ou Devotar-se à Lei Mística da Causa e Efeito". Recitar essa frase é fazer daimoku (daimoku significa "título", afinal essa frase é o título do sutra de lótus, o qual consiste em uma escritura; no budismo de Nichiren Daishonin recitamos alguns capítulos desse sutra... numa oração que é chamada de Gongyo). Então... recitando essa frase, nós conseguimos ativar o estado de Buda! Como assim??? É uma frase mágica? Não. Recitar essa frase permite que você se sintonize com o universo, com a lei mística (místico não no sentido de milagroso e fantasioso, mas no sentido de que é inexplicável a partir da compreensão humana. A lei mística é uma força que rege todo o universo - para MIM, também significa o que eu sempre entendi por "Deus"). A frase faz você olhar para si mesmo e enxergar a vida com energia e sabedoria, acalma... é tem até um estudo da Física referente à frequência em hertz desse 'mantra'. Antes de me tornar budista, eu ficava me perguntando se fazer o daimoku" causava efeitos".. Só descobri depois que pratiquei (e realmente deu certo). 

Era alguém

Era Alguém
                                                                 Tiemi Yamasaki



Era apenas um rosto em meio à multidão
Era apenas um nome em meio a tantos outros
Era um desconhecido. 
Era alguém que ela jamais encontraria
Alguém que provavelmente ela jamais conheceria
Afinal, uma cidade tão distante ela não pretendia visitar
Era alguém que ela  nem imaginava que fosse encontrar
Era alguém do lado oposto, em outra fase, diferentes vidas 
As probabilidades do encontro eram ínfimas
Era alguém com quem ela sonhava
Via nos sonhos as ações, as falas, mas o rosto não podia ver
Imaginava quem seria aquele que em em seu sonho sorria
Aquele que queria muito conhecer
Mas que nunca nunca conseguiu perceber
Não encontrava nas ruas de sua cidade, nos lugares que frequentava
Era alguém que ela nem imaginava
Era alguém do qual ela jamais ouvira falar
Era alguém que vivia quilômetros distante, alguém em meio à multidão
Era alguém por quem ela não esperava
Mas havia um fio que os conectava
Em um dia, todas as estrelas e planetas mais distantes resolveram se alinhar
todas as improbabilidades, as milhões de pessoas na multidão e os quilômetros 
resolveram se transformar, misturar, quebrar e desvanecer 
Pois de alguma forma, eles se tinham que se conhecer
Deu-se o encontro
Era como se fosse aquele rosto em meio à multidão
Era aquele nome em meio a tantos outros
Era um desconhecido que ela sempre conheceu
Era alguém que ela tinha de encontrar
Nem os quilômetros, as diferenças, as milhões de pessoas, os acasos
os fatos, nada impediu aquele acontecimento
Naquele dia, naquela hora, naquele ano, naquela história
Ela tinha que encontrá-lo
Algo inesperado
Um golpe de sorte do destino
Uma sorte que ela jamais conheceu
O fio que os conectava era invisível
mas sempre estivera ali
E toda vez que um dos dois ficava triste porque a vida parecia não ter muito sentido
o fio murmurava "ei, vocês precisam saber da existência um do outro, não fiquem chateados!"
Na hora certa tudo enfim estará transformado
Quando ela o viu soube que sempre esteve ao seu lado
E de repente aquele rosto até então desconhecido, aquela voz que nunca escutara
Aquele nome que nunca havia lido em qualquer instante
Eram o rosto, o som, o nome mais importantes.




Anime* Shigatsu Wa Kimi No Uso

Hi, my lovely readers! Nooossa, quanto tempo!!!!
Não tenho escrito muito por conta de váários motivos, mas o principal deles é: estava ocupada com outras coisas e acabei deixando o blog de lado...
No entanto, aqui estou! Hoje vim falar de um anime que uma pessoa muito especial me recomendou.
Terminei de assistir ontem e ainda estou arrasada por conta do fim T~T





Sinopse: Arima Kousei era um prodígio em se tratando de piano, dominou as competições infantis por anos e todos os músicos infantis conheciam seu nome. Mas com o falecimento da sua mãe, que também era sua instrutora, ele sofre um bloqueio mental no meio de um recital e nunca mais consegue ouvir o som do seu piano, mesmo com sua audição normal. Dois anos se passam e Kousei ainda não tocou em seu piano de novo e vive em um mundo sem cor e sem outros tons. Ele passa a aceitar sua condição e vive feliz com seus amigos, Tsubaki e Watari, até que um dia, uma garota muda tudo. Miyazono Kaori é uma linda violinista, e seu estilo reflete sua personalidade livre e animada. Ela ajuda Kousei a voltar ao mundo da música e mostra a ele que neste mundo ele pode ser livre e não seguir as regras, um jeito muito diferente da estrutura rígida e estilo regrado que Kousei estava acostumado.
Fonte: Anitube


Bom, não sou muito fã de animes/filmes/livros que tratam de música; porém, fiquei encantada com Shigatsu. A história é incrível! De início, conhecemos Kousei e o seu bloqueio em relação ao piano... Acredito que no anime dá pra sentir bem a agonia que o protagonista sente, a dor que carrega no peito, a culpa e a vontade de expressar tudo isso na música. Aos poucos, vamos conhecendo os motivos pelos quais ele não consegue mais tocar piano e, assim, conseguimos entender o porque de certas atitudes do garoto. Apesar de ele querer superar as barreiras que criou dentro de si (amarradas ao passado), ele não age, pelo contrário, fica estagnado. Enquanto isso, sua melhor amiga (que o conhece desde pequenininho) Tsubaki e seu amigo Watari são bem divertidos e enérgicos. Maaas, chega o dia, da primavera de Abril... em que ele conhece a temperamental Kaori, de um jeito um tanto quanto ruim, o que causa uma má impressão em ambos. Kousei descobre que ela era a menina que gostava do seu amigo. Os dois se aproximam, porque compartilham de algo em comum: ambos são músicos (ele pianista, ela violinista). Kaori aparece para abalar o mundo de Kousei e fazer ele agir e sair da zona de conforto. Ela não "passa a mão" na cabeça dele ao saber de seus traumas de infância, por outro lado, a garota o impulsiona a agir de modo rígido. Assim, Kaori pede que Kousei toque junto com ela em uma apresentação... Conforme eles vão estudando as partituras de músicas, vão se conhecendo e compartilhando momentos juntos. Além disso, também conhecemos melhor Tsubaki e sua relação com Kousei. Em meio a tudo isso, há muitas reflexões por parte dos personagens... paisagens belíssimas e muita emoção. Eles pensam sobre a vida, o tempo, as tristezas, as alegrias, os acasos, as decepções, os sonhos, a perda, os traumas, as experiências simples que são grandiosas dentro do coração etc. Adorei acompanhar cada episódio desse anime, porque me envolvi demais com os personagens. O espectador se desenvolve junto com Kousei... não só no que diz respeito a ele como pianista, mas como ser humano. É muito bom e inspirador ver o protagonista vencendo seus "limites" e gostei até mesmo dos "rivais" dele (outros pianistas extremamente talentosos). A Kaori, sem dúvida, é uma das personagens mais queridas...! O jeito como ela lida com a vida é maravilhoso... Como o Kousei diz: ela tem um brilho nos olhos.