Reflexões e salsicha


"Lá estava eu, olhando para o horizonte. Sozinha, eu sentia. Eu pude ver desde o (re)nascimento do Sol até o (re)aparecimento das estrelas no céu. Passei horas e horas apenas admirando os raios solares preencherem o céu azul e, mais tarde, as estrelas pontilharem o céu anil. Os raios resplandeciam para todos os lados, sem controle... Lindos, iluminavam a paisagem, mas também queimavam a minha pele. As estrelas... essas estavam confusas, espalhadas aos quatro ventos e eu não conseguia ordená-las em constelações. O vento, ora era brisa, ora era ventania. E eu ali, uma alma portando um corpo.
Um eu sonhando, um eu devaneando, um eu se desesperando, um eu gritando (silenciosamente), um eu tentando enxergar além, um eu lembrança, um eu que lembra, um eu ... 
Uma menina mulher que ainda não aprendeu a ser.. mas que descobriu que isso é algo que não se aprende, é algo que se vive. 
Uma moça descolada... descolada desse mundo tão superfici(m)al. Descolada deslocada.
Louca ou normal? Normal, não quer ser. Normal vem de norma. Ela não quer ser normatizada. Quer apenas ter paz, ser paz, propagar a paz, pois sabe que mandar no mundo não é mudar - é manipular. Ela quer ser livre para ser. Livre ela é no livro que lê.. livro que a livra de toda tensão.  Ela....

Assim tão de repente, voltei à realidade limitadora. A senhora do bandejão me chamou... "Vai querer ou não a salsicha à caçadora?"

- Thaís Tiemi Yamasaki
Vive com um pé no mundo real e o outro na Tiemiland! Além disso, detesta salsicha à caçadora!

Letters* Dessa Vez

Dessa Vez 

"De algum modo, dessa vez eu vejo tudo diferente
Dessa vez, eu consigo pensar melhor
Dessa vez, eu posso me lembrar de tudo e, assim, ponderar
Dessa vez, eu não consigo me entregar ao impulso
Impulso de me atirar no abismo dos meus próprios sentimentos
Dessa vez, eu olho para mim e reflito sobre o que eu sou
o que eu quero
Dessa vez, eu posso ver o que definitivamente não desejo que se repita
Dessa vez, eu não quero ouvir os murmúrios negativos
Dessa vez, eu não quero que ditem o que eu devo fazer
Dessa vez, eu não consigo deixar que as minhas vontades cegas me dominem
Dessa vez, eu me barro e me apoio em mim mesma
Dessa vez, eu vejo que uma situação dolorosa é a minha chance de mudar o errado
Dessa vez, eu percebo que eu estou aqui e essa é a minha vida
Dessa vez, eu quero me proteger
Dessa vez, eu não choro pelo acontecimento ruim, mas pela minha forma de lidar com isso
Dessa vez, eu vejo que já não dá mais
Dessa vez, eu digo Não
Dessa vez, eu não quero
Dessa vez, eu escolho a outra direção
Dessa vez, eu vou ir pelo caminho mais árduo
mas que com certeza culminará na minha transformação"

T. T. Yamasaki

Lições (óbvias) que aprendi

Hi, my lovely readers? Como estão? Espero que bem! Acho que vou começar a escrever um livro de ensinamentos e experiências (auto ajuda? Kk). Ultimamente tenho pensado tanto nas coisas que já vivi e no que aprendi (e ainda aprendo) sobre a vida. Aliás, estou diante de uma grande mudança (de novo Thaís? Haha mas dessa vez a  mudança é séria e importante), mudança de estilo de vida, de pensamento; na verdade, meu pensamento tinha mudado faz tempo, mas só fui perceber agora... graças ao auxílio de um amigo e uma amiga. Muitas pessoas ficarão chocadas, decepcionadas, desapontadas com isso; outras ficarão indiferentes e outras ficarão felizes por mim (não gente, eu não vou largar os estudos e me tornar cantora - seria legal fazer isso, mas minhas cordas vocais não suportariam tanto). Trata-se de outra coisa!


Mas voltando ao que eu estava dizendo...
Acredito que viver é como ser um cientista... Sempre gostei muito de observar tudo e todos e pensar sobre as coisas que aconteciam comigo e com aqueles que vivem (viviam) ao meu redor, não é à toa que decidi escrever diários desde os 14 anos.
Eu vivencio, experimento, observo e então reflito sobre os resultados. É claro que viver vai muito além disso... mas essa é uma grande base para o aprendizado... Colocar a mão na massa  e ver se o resultado final será um bolo ou um quase-bolo.