Letters* Nervos em Combustão

Chega uma hora em que a gente explode. É, toda brisa tem seu dia de ventania. E eu já tive tantos!
Parece que ando em constante combustão, meus nervos fervem de tantas emoções loucas e (in)tensas.
Há quanto tempo eu fiquei assim? 
Lembro-me de que quando tinha por volta dos quinze anos, tudo o que eu fazia era ficar sentada, escrevendo textos melancólicos e chorando por tudo dar sempre errado na minha vida. Eu chorava, o lugar de vítima era perfeito pra mim. Tão frágil... os pensamentos me acusavam e me tornavam indefesa. Oh, o mundo inteiro é bom e eu é que não mereço porcaria nenhuma.
Eu costumava ser passiva, derramando lágrimas sobre as folhas rabiscadas do meu diário surrado.
Esperava pelo dia em que seria salva da minha tragédia, esperava pelas ações de pessoas-heroínas que iriam me resgatar do poço inundado de fatalidade.
Via todos viverem suas vidas felizes envoltos à maravilhosa maré de sorte que nunca chegava até mim.
Posso me ver em flashbacks, aceitando tudo o que os outros me diziam, calando-me diante de tudo.
Não falava o que queria, não falava o que me irritava, o silêncio era a minha corrente de bronze.
De alguma forma, eu sempre me via como a errada da história, a culpada imperfeita ridícula e desprezível.
Era sempre eu que tinha que me dar mal na história, o papel de coitadinha esnobada era meu.
Meu roteiro se limitava a ficar lamentando por não ser amada, encharcando as folhas dos meus livros com lágrimas pesadas..
A amiga perfeita que só existia para ajudar os outros, já que a minha vida era apenas me contentar com o azar zombeteiro. 
Aquele estereótipo de nerd reprimida inofensiva cabia como uma luva em minhas mãos calejadas pelos textos depressivos escritos.
Hoje eu olho para mim e vejo que aquela menininha boba não existe mais.
Isso me assusta... porque eu sinto que mudei e percebo que as consequências foram grandiosas.
É errado você ter desenvolvido defesas? É errado você não ficar mais calada diante das coisas que te desagradam? É errado você não ser mais aquela imbecil que sempre aceita tudo? É errado não ficar adulando um amigo porque sabe que ele não pode ficar de mimimi? É errado dizer, na lata, o que quer ao invés de ficar se escondendo? É errado querer que alguém vá caçar gnomos no Monte Everest? 
É errado não gostar de todo mundo? É errado querer mandar alguém ir para o raio que o parta?
É errado eu discordar das injustiças que fazem comigo? É errado eu lutar pelos meus objetivos?
O modo como algumas pessoas agem comigo me faz pensar que virei uma monstra, só porque deixei de ser a tonta com a qual estavam acostumados.
Sinto muito..., mas eu abandonei o papel de vítima há muito tempo.
Não sinto mais a mínima vontade de ser como a maioria das princesas dos contos de fadas, que ficam sofrendo até o príncipe perfeito aparecer e salvá-las. Se fosse para ser uma princesa, eu escolheria a Mulan.
Pois abandonei o papel de sofredora, para pegar o papel de heroína da minha própria história.
Ser uma guerreira é bem mais interessante e legal. 


Ao invés de ficar chorando sob as folhas do meu diário surrado, eu coloco a minha música inspiração e a entoo bem alto. 
Não espero mais pela tal maré de sorte, porque estou ocupada criando o meu próprio oceano.
Me esforço para lembrar, mas não consigo recordar qual foi o exato momento em que a metamorfose aconteceu...
Não consigo voltar a ser que eu era, porque aquele alguém já é estranho para mim.
Não foi moleza, o vaso passa pelo fogo até ficar pronto.
Fui duramente quebrada e lapidada. Me destruíram, eu virei ruína. Mas isso aconteceu para que essa nova construção fosse erguida. E quer saber? Gosto muito mais dela.
Ainda estou me acostumando com essa nova forma de olhar o mundo, através desse novo coração morno que bate em meu peito.
Posso ver as consequências dessas transformações em todos os lugares, algumas pessoas que conheceram meu antigo eu não estão lidando muito bem com essa minha nova versão.
Às vezes, lamento por não conseguir mantê-las junto comigo. Mas daí lembro que estará comigo quem realmente quer. Se não quiser... o que eu posso fazer? 
Eu era uma espécie de flor da melancolia que foi pisada e estraçalhada. Mas dos restos dessa flor, surgiu um a nova e... creio que há alguns espinhos nela.
O meu perfume só pode ser sentido por aqueles que manuseiam essa flor com carinho e amor.
Eu estou pegando minha espada, sendo guiada pelo meu coração de titânio, em busca das aventuras que eu tanto quero ter.
Não vou esperar ninguém para me levar, eu aprendi a andar com as minhas próprias pernas. Não existe essa de fatalidade, você cria seu próprio caminho. Não é porque as coisas deram errado uma vez que darão de novo! Não farei jamais esse papel de vítima novamente!
Além de ventania, eu também posso ser furacão. Assim, quem sabe eu não acabo em Oz, quem sabe não encontro a estrada de tijolos amarelos e ajude espantalhos, leões covardes e homens de lata? Quem sabe não desmascaro falsos mágicos e dou uma boa lição na bruxa malvada?
Não pense que ficarei arrasada e mal só porque você pisou em mim, pelo contrário... seus pés é que vão ficar doendo, graças aos espinhos em que você mesmo mexeu.
Os meus sonhos agora me movem, a força é renovada todos os dias. Esse turbilhão sou eu, não pense que me conhece, porque eu mesma não tenho noção da minha capacidade.
Só digo uma coisa, a flor que cresce da adversidade é mais forte do que todas as outras.
Não tente me jogar no poço, eu já estive lá e sei muito bem como voltar.
Haha... fique tranquilo, não te ligarei dizendo: Sete dias.
Pelo contrário, eu purificarei as águas e as distribuirei pelos jardins da vida. 


Origami

Hi, my lovely readers! Dei uma sumida de novo, não é? Me perdoem! Ando com a cabeça tumultuada de muitas coisas haha. Para lidar com isso, decidi prosseguir com a arte de fazer origamis! Eu havia comentado sobre essa nova atividade, em um post. Pois bem, me empenhei e consegui fazer mais três novos tipos de dobradura.
Hoje vim falar um pouco mais sobre essa técnica japonesa.
De acordo com nossa amiga Wikipédia, origami  (do japonês: 折り紙, de oru, "dobrar", e kami, "papel") é a arte tradicional e secular japonesa de dobrar o papel, criando representações de determinados seres ou objetos com as dobras geométricas de uma peça de papel, sem cortá-la ou colá-la.
O origami usa apenas um pequeno número de dobras diferentes, que no entanto podem ser combinadas de diversas maneiras, para formar desenhos complexos. Geralmente parte-se de um pedaço de papel quadrado, cujas faces podem ser de cores ou estampas diferentes, prosseguindo-se sem cortar o papel. Ao contrário da crença popular, o origami tradicional japonês, que é praticado desde o Período Edo (1603-1897), frequentemente foi menos rígido com essas convenções, permitindo até mesmo o corte do papel durante a criação do desenho, ou o uso de outras formas de papel que não a quadrada (rectangular, circular, etc.).
Segundo a cultura japonesa, aquele que fizer mil origamis da garça de papel japonesa (Tsuru, "garça") teria um pedido realizado - crença esta popularizada pela história de Sadako Sasaki, vítima da bomba atômica.

Haha, eu estou tentada a fazer esses mil tsurus! Gente, a história da Sadako é muito emocionante!
Ela vivia  em Hiroshima e tinha apenas dois anos de idade quando lançaram aquela bomba horrorosa na cidade. Graças aos céus, ela saiu ilesa dos ataques diretos desse instrumento bélico, mas infelizmente.. uma bomba traz consequências mais terríveis do que ferimentos diretos. Quando a garotinha e sua família fugiram de Hiroshima, foram cobertos pela radiação que caíra sobre a cidade. 
Tudo parecia muito bem, até que aos doze anos, Sadako passou mão durante uma aula de educação física.
A menina, então, foi diagnosticada com leucemia.. que já havia atacado muitas outras crianças, era conhecida como a "doença da bomba atômica".
Os médicos deram apenas 1 ano de vida para a mocinha, em fevereiro de 1955 quando foi internada.
Até que em agosto do mesmo ano, Chizuko Hamamoto, melhor amiga de Sadako, foi visitá-la e deu-lhe um origami de tsuru contando a lenda de que se ela fizesse mil exemplares daquele, teria um pedido realizado.
Sadako começou a fazer os mil tsurus, com um sonho em mente: curar-se da doença.
Infelizmente, a doença progrediu rapidamente. Mas mesmo assim... a garota prosseguia firme e persistente dobrando os origamis, mesmo debilitada. 
Depois de um tempo, Sadako percebeu que a doença era provinda da guerra e começou a desejar algo bem maior que a sua cura. Ela queria a paz para toda a humanidade, de modo que ninguém mais sofresse por conta das guerras. Assim, falou para os origamis:  "Eu escreverei PAZ em suas asas e você voará o mundo inteiro".

Em 25 de Outubro de 1955, Sadako fez seu último origami e faleceu. A menina conseguiu fazer 644 tsurus... Porém, ela comoveu tanto... que seu exemplo foi seguido por seus amigos, que acabaram fazendo o restante dos origamis para serem enterrados com ela.
A história de Sadako sensibilizou todos, graças à sua determinação e coração. Os colegas da menina formaram uma associação com uma campanha: fazer um monumento em memória à amiga e à todas as crianças que sofreram com a guerra. 
Com as doações de alunos de 3100 escolas do Japão e de mais nove países, eles conseguiram erguer em 1958, o Monumento das Crianças à Paz (também conhecido como Torre dos Tsurus).



Os monumentos japoneses, geralmente são considerados locais mitológicos, onde eles acreditam que os Espíritos vivam. Na base dessa construção, está escrito:

"Este é nosso grito,
Esta é nossa oração:,
PAZ NO MUNDO"

Desde então, milhares de tsurus de papel colorido são enviados de todo o mundo, num gesto muito bonito que demonstra a preocupação das crianças e o poder que elas tem de lutar por causas justas.
Sadako faleceu muito jovem, mas nesse pouco tempo de vida conseguiu mobilizar muitas pessoas, mostrando o amor ao próximo. A lenda dos mil tsurus mostrou-se verdadeira, Sadako teve seu pedido realizado. Mas não foi sorte, nem mágica... foi o poder do amor e da força de vontade.

Chorei com essa história... Toda vez que eu fizer um tsuru, me lembrarei dessa garotinha.
Estou inspirada... um origami pode mudar o mundo!
Além disso, há vários benefícios ganhos através dessa maravilhosa arte! Vejamos alguns:

 - Memória;
- Criatividade;
- Raciocínio lógico;
- Percepção visual e espacial;
- Coordenação motora fina;
- Atenção e concentração;
- Alívio de stress e tensões;
- Paciência e tranquilidade;
- Auto-estima.

Eu concordo plenamente com isso! Está me fazendo tão bem!
Aqui estão algumas fotos dos meus origamis, ainda não estão muito bons, porque sou uma iniciante desajeitada.. Maas, a prática leva à perfeição!
Não vou dizer que é moleza porque estaria mentindo (pode ser que seja para algumas pessoas)!! Fazer um origami exige muita PACIÊNCIA e FORÇA DE VONTADE. Você precisa ser muito cuidadoso com as dobras, porque elas é que dão forma ao objeto que será construído.
Há muitos vídeos ensinando, além de diagramas e fotos.. Eu tive dificuldade em seguir alguns passos haha, mas depois fui pegando o jeito. Prefiro as fotos aos vídeos e diagramas.
Para começar, acho que seria uma boa fazer o tsuru! Não é tão complicado.
O papel você pode achar em qualquer papelaria. Eu comprei os meus na Daiso (lá em São Paulo), eles são do Japão! Para começar... vocês podem usar panfletos, jornais etc.
Acabei com vários papéis, mas não desisti haha... e aqui estão os resultados:


Uma rosa, o origami que achei mais difícil de fazer!


Lírios *-* 


Meu casal de tsurus e um coração (o roxinho foi feito
pela minha prima)




Uma shuriken! Agora sou uma ninja armada!

Aproveitando o embalo, fiz alguns marca-páginas :)

                             
                                Os marca-páginas são mais fáceis, já que podem ser recortados


Fiquei tão contente ao conseguir fazer esse bookmark
potteriano haha



Estou fazendo mais!
Aqui estão os sites de instruções:
- Origami Instructions
- Como Fazer Origami

Um dia eu conseguirei fazer um desses:


Há também vários canais no Youtube:


Book* A Marca de Atena

Hi, my lovely readers!! Há alguns dias eu finalmente terminei de ler A Marca de Atena... Estava enrolando porque sabia que iria ficar com depressão pós-livro. Mas uma hora o fim tem que chegar, né?


Sinopse
A Marca de AtenaAnnabeth está apavorada. Justamente quando ela estava prestes a se reencontrar com Percy – depois de seis meses separados, graças a Hera –, o Acampamento Júpiter parece estar se preparando para a guerra. Como Annabeth e seus amigos Jason, Piper e Leo voam no Argo II, ela não pode culpar os semideuses romanos por pensar que o navio é uma arma grega. Com o seu mastro de dragão de bronze, a criação fantástica de Leo não parece amigável. Annabeth espera que a visão de seu pretor Jason no convés irá assegurar os romanos que os visitantes do Acampamento Meio-Sangue estão vindo em paz. E isso é apenas uma de suas preocupações. Em seu bolso, Annabeth traz um presente de sua mãe, que veio com uma exigência inquietante: "siga a Marca de Atena. Vingue-me." Annabeth já se sente oprimida pela profecia que irá enviar sete semideuses em uma missão para encontrar – e fechar – as Portas da Morte. O que mais Atena quer dela? O maior medo de Annabeth, porém, é que Percy pode ter mudado. E se agora ele está ligado aos caminhos romanos? Será que ele ainda precisa de seus velhos amigos? Como filha da deusa da guerra e da sabedoria, Annabeth sabe que nasceu para ser uma líder, mas nunca mais ela quer ficar sem o Cabeça de Alga ao seu lado. Narrado por quatro diferentes semideuses, A Marca de Atena é uma inesquecível viagem por terra e mar para Roma, onde descobertas importantes, sacrifícios surpreendentes e horrores indescritíveis aguardam. Suba a bordo do Argo II, se você ousar...
Fonte: Skoob


Semideuses... aposto que vocês estavam super ansiosos para que esse livro fosse lançado, não é verdade?
Eu não aguentei e comprei a versão em inglês, mas também li uma parte do e-book traduzido!
Pelo tridente de Poseidon, que livro eletrizante!
Eu estava com tanta saudade de todos esses personagens tão queridos! Mas devo confessar que o que eu mais ansiava ver era o reencontro de Percabeth!
Foi tão emocionante, eu nem chorei né... Porém, eu também estava precisando de ação e combate. O tio Rick sabe dosar um bom livro de aventura!
O pessoal do Acampamento Júpiter acaba não agindo com muita cordialidade, mas isso ocorre por conta de um baita imprevisto + a pessoa fofa do Octaviam (irônia).
A partir daí... como sempre, não há moleza para os nossos heróis. Os sete semideuses da profecia enfrentam um monte de encrencas em busca da Marca de Atena e de outro semideus perdido que está nas mãos de dois capangas de Gaia.
Novos deuses aparecem, coisas improváveis acontecem... Mistérios são revelados, novas dúvidas surgem...
A relação entre nossos amigos se complicam, mas também melhoram em muitos aspectos.
Conhecemos alguns dos conflitos internos de Leo, Hazel, Piper, Jason, Frank, Percy e Annabeth.
Leo é a diversão do livro! Morri de rir com as falas (e pensamentos) dele. Não sei porque, mas acho o Frank tão fofo! Nem preciso falar do Cabeça de Alga, né? Meu personagem masculino preferido! Annabeth é minha ídola, me deixou orgulhosa e inspirada no decorrer do livro (sobretudo, no final).
Fiquei com raiva de algumas entidades!
Aventuras no mar, na terra, em Roma..., lutas contra monstros marinhos, deuses conhecidos, gigantes...Ahhh A Marca de Atena é um prato cheio de aventuras.
Eu só tenho uma queixa!!! O tio Rick continua muito troll, o livro acaba na melhor parte!!!! Agora tenho que esperar um ano para saber o que acontece (em The House of Hades)!
No entanto haha, de uma coisa eu gostei nesse final... Não importa o que aconteça, sei que eles estarão juntos. De um jeito ou de outro.


Quotes:

“Percy olhou para o treinador Hedge. — Baco disse alguma coisa sobre forçar a entrada. Treinador, você ainda tem munição para aquela balista?
O sátiro sorriu como uma cabra louca. — Eu pensei que nunca perguntaria.”

“Por favor, — disse Percy. — Tente outra vez.
Ele implorou com aqueles olhos verde-mar, como um filhote de foca bonitinho que precisava de ajuda. Piper se perguntou como Annabeth já ganhara uma discussão com esse cara.
— Tudo bem.. — ela suspirou e tirou sua adaga.”

“— Vamos — ela repreendeu. — Ser um herói não significa que você é invencível.
Significa apenas que você é corajoso o suficiente para se levantar e fazer o que é necessário.
— E se eu não souber o que é necessário?
— É para isso que seus amigos estão com você. Todos nós temos pontos fortes diferentes. Juntos, nós vamos descobrir.”

“Aphros assentiu, com um brilho de orgulho no olhar. – Nós treinamos todos os famosos heróis sereianos! Nomeie um herói sereiano e teremos treinado a ele ou ela!
— Oh, claro – disse Leo. — Como… Hum, a Pequena Sereia?
Aphros franziu a testa. — Quem? Não! Como Tritão, Glauco, Weissmuller e Bill!!”


“Quando Percy terminou, Jason assoviou apreciativamente. — Não me admira que tenham te elegido Pretor.
Octavian bufou. — O que quer dizer que agora nós temos três pretores! As regras estabelecem claramente que só podemos ter dois!
— O lado bom disso — Percy disse — É que nós dois, Jason e eu somos seus superiores, Octavian. Então ambos podemos te mandar calar a boca.
Octavian ficou tão roxo quanto uma camiseta romana. Jason bateu seu punho amigavelmente com o de Percy.”

“— Eu sou uma filha de Atena — disse ela para si mesma. — Eu tenho que seguir meu plano e não me distrair.”


“Percy is everything to me.”
Annabeth Chase


” ‘If you ever leave me again,’ she said, her eyes stinging, ‘I swear to all the gods—’Percy had the nerve to laugh. Suddenly the lump of heated emotions melted inside Annabeth.

‘Consider me warned,’ Percy said. ‘I missed you, too.’

Annabeth rose and helped him to his feet. She wanted to kiss him again so badly, but she managed to restrain herself.”

“Annabeth didn’t mean to, but she surged forward. Percy rushed toward her at the same time. The crowd tensed. Some reached for swords that weren’t there. Percy threw his arms around her. They kissed, and for a moment nothing else mattered. An asteroid could have hit the planet and wiped out all life, and Annabeth wouldn’t have cared.Percy smelled of ocean air. His lips were salty. Seaweed Brain, she thought giddily.”






Série* The Carrie Diaries

Good morning, my lovely readers!! Hoje vim falar sobre uma série que comecei a acompanhar e estou adorando!!
Sinopse
O ano é 1984. A história é um prequel de Sex and the City, contando as aventuras da jovem Carrie Bradshaw (AnnaSophia Robb) e seu amor pela 'Cidade', Nova Iorque. Na sua fase adolescente, Carrie mora com o pai e sua irmã, Dorrit (Stefania Owen). A família perdeu a mãe há pouco mais de três meses e lida com os problemas do trauma. Na escola, ela enfrenta os mesmos problemas de uma garota de 16 anos. Apaixonada pelo novato, Sebastian Kydd (Austin Butler), que também não nega ter sua paixonite por ela, Carrie enfrenta a fúria de sua rival Donna Ladonna (Chloe Bridges), que não hesita em fazer de tudo para ficar com Sebastian. Os amigos de Carrie também tem seus próprios problemas e segredos, como perder a virgindade, homossexualidade e a procura do verdadeiro 'eu'. Carrie trabalha uma vez por semana em uma empresa de direito por créditos escolares, em Manhattan; é quando o amor a primeira vista acontece. Na 'cidade' mais badalada da época, Carrie descobre que pode criar uma vida nova para si mesma. Uma vida onde ela pode ser quem ela realmente é. É quando conhece Larissa Loughton (Freema Agyman), que trabalha na Interview Magazine e faz de tudo para manter Carrie ao seu lado. Larissa e seus amigos, que são pessoas muito influentes no mundo da moda e música não sabem que Carrie tem apenas 16 anos e ainda está no Ensino Médio. Carrie então, ganha uma vida dupla, no caminho de encontrar a sua voz e ser quem ela realmente quer ser e a vida que seu pai quer para ela.Fonte: Wikipédia

Até agora a série conta com 5 episódios (o sexto sairá hoje), eu vi todos e amei cada um deles!
Nunca assisti Sex and the City, nem li os livros da série (nem mesmo The Carrie Diaries), no entanto fiquei morrendo de vontade de conferir a atuação da fofa AnnaSophia Robb. Sem contar que gostei do enredo.
Me apaixonei desde o primeiro episódio e agora não consigo ficar sem assistir! The Carrie Diaries me inspira e me ensina grandes lições de vida.
Amo ver as roupas lindas da Carrie, adoro o estilo dela. A amizade é algo que também podemos ver muito no desenrolar da história.  A protagonista está em uma fase de descoberta, descoberta de si mesma.
São muitos os pensamentos que rondam a cabeça da moça: lidar com a morte da mãe..., ter que cuidar da irmã mais nova que é meio rebelde, encarar as complicações do amor e ajudar seus amigos.
Uma nova porta se abre quando Carrie começa a fazer estágio em Manhanttan, a cidade dos seus sonhos.
Gostei da personagem, porque ela tem um jeito responsável e certinho de ser, além de ser fofa e sempre ajudar seus amigos. No entanto haha, sempre aparece alguém para trazer más influências às boas cabeças...
Odiei essa tal Larissa, não suporto essa mulher! Ela só faz a Carrie se meter em furada, e como a garota quer conhecer novas coisas e passar por novas experiências da cidade grande, é óbvio que ela vai na onda da amiga

.

O bom é que errando que a gente aprende, né? Parecia que os episódios sempre traziam o que eu precisava ouvir no dia em que assistia! Coisas sobre você ser você mesmo, descobrir o que quer, lutar pelos seus sonhos, superar...
O Sebastian nem me encantou tanto, não fui muito com a cara dele também haha! Mas gostei de um outro cara que aparece *-*
Os amigos da Carrie são incríveis, o pai dela é muito gente boa!! O legal do enredo é que não gira em torno apenas dos problemas da protagonista, mas também aborda os conflitos de vários personagens.
Eu ri, me emocionei, descobri coisas e me senti mais poderosa.... assistindo essa série.
Super recomendo!!



- Assista a série (AQUI)


Movie* João e Maria: Caçadores de Bruxas

Hi, my lovely readers! Hoje foi um domingo muito feliz! Fui ao cinema com minhas lindas amigas da faculdade (Michele, Fran e Ana), fomos assistir João e Maria: Caçadores de Bruxas.

Sinopse
João e Maria: Caçadores de Bruxas
Os jovens João e Maria foram abandonados pelos pais na sombria floresta e acabam indo parar na casa de uma malvada bruxa. Mas o que parecia ser o fim acabou se tornando o começo de uma vida cheia de aventuras, uma vez que eles eliminaram a malvada e viraram verdadeiros exterminadores de criaturas do mal. Após o desaparecimento de várias crianças, os dois já adultos (Jeremy Renner e Gemma Arterton) são contratados pelas autoridades locais para desvendar o mistério. Só que eles não imaginavam que essa nova missão iria colocá-los diante da terrível Bruxa Negra (Famke Janssen), pronta para destruir não só a reputação de excelentes caçadores de bruxas, mas também as suas vidas.
Fonte: Adoro Cinema

Esse filme é realmente muito bom!! É eletrizante do início ao fim! Bem diferente da clássica história de João e Maria (no original Hansel e Gretel)!! Aliás, é muito mais interessante!
As bruxas malvadas são realmente horrorosas haha, só de olhar para a cara delas me dava embrulho no estômago!
João e Maria não são crianças indefesas, eles são poderosos e corajosos. Detonam a bruxa da casa das calorias (doce em tudo quanto é canto!) em poucos minutos, transformando a infeliz em cinzas.
Assim, passam-se muitos anos..., os irmãos tornam-se famosos caçadores de bruxas.
Simplesmente amei essa Maria tão poderosa e altiva!! Ela enfrenta tudo como uma grande heroína. O João é encantador e engraçado! Realmente gostei de ver as cenas de ação em que eles pegavam suas armas e destruíam as bruxas malévolas.
Mas há dois grandes mistérios que permeiam o enredo do filme, um diz respeito ao desaparecimento das crianças e o outro é sobre o porque dos pais dos protagonistas terem os abandonado, quando estes eram crianças.
Aos poucos vamos colhendo pistas e descobrindo as coisas! No final, tudo se encaixa.
Sem contar que aparecem outros personagens muito legais, como um certo troll e o fã de João e Maria haha (que coleciona tudo sobre eles)! Fiquei realmente muito triste com uma morte... Achei que ela não merecia o fim que teve.
Adorei o final!! Essa Bruxa Negra é uma desgramada kkkk fiquei com tanto ódio dela!!
Terminei de ver o filme, morrendo de vontade de me tornar uma caçadora de bruxas.
Queria vestir roupas de couro, pegar armas legais e acabar com criaturas das trevas!
A história de João e Maria nunca mais será a mesma! Assistam!


Book* O Morro dos Ventos Uivantes - Emily Brontë

Hi, my lovely readers!! Finalmente terminei de ler O Morro dos Ventos Uivantes! Ouvi falarem tanto dele, que acabei resolvendo ler, apesar de saber que a história era meio dura e trágica.
O Morro Dos Ventos UivantesLê-lo foi realmente mais prazeroso do que imaginei que poderia ser!


Sinopse
Na fazenda chamada Morro dos Ventos Uivantes nasce uma paixão devastadora entre Heathcliff e Catherine, amigos de infância e cruelmente separados pelo destino. Mas a união do casal é mais forte do que qualquer tormenta: um amor proibido que deixará rastros de ira e vingança. "Meu amor por Heathcliff é como uma rocha eterna. Eu sou Heathcliff", diz a apaixonada Cathy. O único romance escrito por Emily Brontë e uma das histórias de amor mais surpreendentes de todos os tempos. O Morro dos Ventos Uivantes é um clássico da literatura inglesa e tornou-se o livro favorito de milhares de pessoas.
Fonte: Skoob

Céus, como conseguirei expressar nesta humilde resenha, toda a riqueza desse livro??
I'll try! Bom, o livro começa com o Sr. Lockwood indo visitar o vizinho e também proprietário da Granja dos Tordos, local que havia alugado para isolar-se um pouco e descansar. Assim, conhecemos o frio e fechado Sr. Heathcliff.
A primeira impressão do Sr. Lockwood acerca do misterioso homem, me intrigou deveras:

“Alguns irão acusá-lo de orgulho destemido, mas tenho um sexto sentido que me diz que não se trata disso - inativamente, sei que a sua reserva provém de uma aversão inata à externalização de sentimentos e à troca de demonstrações de afeto.”

Por que Heathcliff é assim? É isso o que descobriremos ao longo do livro...

Acontecem alguns imprevistos e o locatário acaba descobrindo alguns dos segredos do estranho homem... O Morro dos Ventos Uivantes começa a lhe parecer assustador e assim, ele ruma de volta para sua casa.
Estando enfermo (pois apanhara uma gripe), o Sr. Lockwood acaba descobrindo, ao conversar com a governanta da Granja dos Tordos, alguns dos acontecimentos relacionados ao Sr. Heathcliff.
E... poxa.. uau! Que história!
Nelly Dean narra toda a intensa história das famílias Earnshaw e Linton...
Sim.. é uma história trágica e já começa, a partir da figura de Heathcliff... Fiquei me perguntando porque ele era tão mau, mas logo parte da minha dúvida foi sanada. Para início de conversa, Heath era diferente dos brancos, pois tinha a pele morena (como a de um cigano) e olhos pretos e perturbadores. O garoto fora encontrado pelo pai de Catherine e Hindley Earnshaw e desde então, o tratara como um filho. Aliás, o Sr. Earnshaw tratava Heath melhor do que todos na casa, o que acabou gerando ciúme e inveja em Hindley.
Quando criança, o protagonista foi bastante humilhado e sofreu um bocado.
Após a morte do Sr. Earnshaw (com Hindley no poder rs), Heath passou a ser tratado como um servo ignorante.
No entanto, ele sempre fora muito amigo de Catherine, os dois sempre brincavam juntos e viviam a vida como adoráveis selvagens. Eram crianças extremamente aventureiras..
Um gostava intensamente do outro... até que as coisas ficaram difíceis para eles :/
Em certo ponto do livro, conhecemos Edgar e Isabella Linton.. dois irmãos que passaram a frequentar o Morro dos Ventos Uivantes.
Aí é que a coisa complica de vez...
O desgramado do Hindley tem a capacidade de humilhar o Heath perto dos riquinho de olhos azuis e cabelos loiros, Edgar.
Catherine fica divida entre o Sr. Linton e Heath.. O irmão envenena a cabeça da moça, sem contar a influência que sofre ao passar um tempo na Granja dos Tordos (morada dos Linton).
Ela começa a comparar Edgar e Heath e percebe que o primeiro tem qualidades primorosas que o segundo não tem. Enquanto Edgar é instruído e bem vestido, Heath é ignorante e maltrapilho (sem contar a cara de mau humor).
No entanto, vocês sabem como o amor é.. haha. Sempre acabamos amando aquela pessoa que parece a pior escolha.
Pois bem, Cathy AMAVA Heath!
Mas... ai, gostei do livro porque mostra um pouco da realidade..., bem... tudo dá errado!
Acontecem mil e uma desventuras...! Eu fiquei tão agoniada!! Queria dizer umas boas verdades para a Cathy!
Tenho o estranho gosto (como vocês já devem ter percebido) pelos personagens estranhos, incompreendidos e insuportáveis. 
Linton é do tipo príncipe encantado (embora seja meio palerma, aliás... todos os personagens desse tipo são! Isso é massante!). Tomei partido do Heath.. (atenção: de início haha).
Eu não posso contar o que acontece... , mas lhes asseguro que são coisas muitíssimo interessantes!!
Heath volta e volta mudado. 
Ele ficou mais ruim do que era! Seu objetivo: vingança e destruição.
Comecei a me perguntar se o que ele sentia pela Cathy era de fato amor, ou obsessão.
Mas depois cheguei à conclusão de era amor, Cathy foi a única coisa que aquele coração gelado amou.
Heath é, diversas vezes, comparado ao demônio.. Visto que pratica grandes atrocidades.
No entanto, quando olhamos para a relação dele com Catherine... as coisas mudam.
Eu o compreendi, em certos momentos, por estar tão amargurado e revoltado.
Mais desgraças acontecem... eu chorei tanto!
Depois de um tempo, digamos que uma nova história é contada.. e como tema, temos a vida da srta. Catherine Linton (filha de Cathy).. O que será que acontece? Heathcliff fica como diante da filha de sua amada?
Posso dizer, que após um terrível advento... Heathcliff piora demais... e conseguiu me fazer detestá-lo rs.
Mas o fim dele é tão.. melancólico, que chega a ser bonito.
Eu olho para ele e vejo além da carapaça de ódio.. Vejo uma pessoa que ama, alguém que já sofreu muito.. mas é orgulhosa demais para pedir ajuda ou choramingar, alguém que crê que pode curar suas feridas com suas próprias mãos.
Cathy (a filha) e um certo primo.. tem um final bem feliz!
Gostei de saber que a personalidade amorosa da moça tocou o coração duro do primo.
Creio que posso dizer: O Morro dos Ventos Uivantes é uma sad beautiful tragic, como diria a Taylor.
Emily Brontë arrasou, não é à toa que esse livro é um clássico!


P.S: Cuidado com o SPOILER
Preciso realmente falar de algumas questões que mexeram muito com a minha pessoa rs..

* Personalidade
Acredito que os livros não vem parar na minha mão por acaso... Por isso, sempre que começo a ler algum... eu acho que há uma mensagem que devo descobrir.
Pois bem, uma delas... foi sobre a questão da personalidade. Eu havia comentado aqui no blog que eu estava meio confusa, sem saber quem eu era de verdade. Tinha me tornado fria e amarga, sendo que eu sempre fui doce e sonhadora.
Ao ver o modo como uma pessoa de coração tão meigo desse jeito pode se tornar, após passar por situações de intensa dor e mau trato, alguém de personalidade tão amarga..., eu logo percebi o que estava acontecendo comigo. Imediatamente disse para mim mesma que não queria me tornar alguém assim, não podia deixar que as tragédias de minha vida (e sei que todos passam por situações ruins, até piores que as minhas) estragassem o que eu era.
Até compus uma frase e coloquei no face rs:

‎"Às vezes, tudo o que você tem que fazer é resgatar quem você era. Retirar todos os escombros do coração que, outrora, fora demolido... Lembrar-se daquela pessoa que você costumava ser e assim, trazer um pouco dela de volta. Não deixe que as mágoas e frustrações acabem com o que existe de melhor em você."

Pois é, num momento de insight, senti imensa alegria por constatar que não tenho vocação para ser rainha do gelo! Não consigo ser má.. e que me chamem de tonta, acho que o modo como sou ... tem outro nome.
Céus.. que alívio ter me livrado daquela personagem azeda e fria!
Sinto-me mais feliz agora!

*Heathcliff
Me intrigou desde o início, passei o livro tentando entender esse complexo ser. Houve um momento em que eu quis resgatá-lo e oferecer alento a ele..rs.
Eu busco olhar alguns personagens (e algumas pessoas) além da superfície, gosto de me aprofundar nelas e conhecer o que são. Além disso, sempre vejo o lado bom destas.
Não foi diferente com o Heath... Eu gostaria de compreender por que raios eu sempre faço isso!
Sempre tenho uma queda pelo anti-herói (vide Damon Salvatore)! Isso é doentio rs.

*História de Amor?
Essa pode ser considerada uma história de amor? COM CERTEZA!
Aliás.. acho que esse é um autêntico romance rs! A história de Heath e Cathy não corresponde aos clichês. Não é linda e maravilhosa, é real. O que importa, no final das contas, é o sentimento.. E eu nunca vi um amor tão grande como o dos dois.
É claro que eu gostaria que ambos tivessem terminado juntos e toda aquela coisa, mas o amor deles acabou superando a morte.

Gente... estou pasma diante de tudo o que li nessa obra, posso garantir que ela mudou muitas de minhas ideias e transformou um pouco de mim.

Eis algumas frases que achei memoráveis!

“Nunca lhe confessei abertamente o meu amor, mas, se é verdade que os olhos falam, até um idiota teria percebido que eu estava perdidamente apaixonado.”

“Se olho para estas lajes, vejo nelas gravadas as suas feições! Em cada nuvem, em cada árvore, na escuridão da noite, refletida de dia em cada objeto, por toda a parte eu vejo a sua imagem! Nos rostos mais vulgares de homens e de mulheres, até nas minhas feições me enganam com a semelhança. O mundo inteiro é uma terrível coleção de testemunhos de que um dia ela realmente existiu e a perdi para sempre!”

“Você me amava, então, que direito tinha você de me abandonar?”

“Os meus grandes desgostos foram os desgostos do Heathcliff, e eu acompanhei e senti cada um deles desde o início; é ele que me mantém viva. Se tudo o mais perecesse e ele ficasse, eu continuaria, mesmo assim, a existir; e, se tudo o mais ficasse e ele fosse aniquilado, o universo se tornaria para mim uma vastidão desconhecida a que eu não teria a sensação de pertencer.”

“Meu amor por Heathcliff é como uma rocha eterna, Eu sou Heathcliff.

“As pessoas orgulhosas trazem sofrimento para si mesmas.”

“É estranho como o hábito consegue moldar os nossos gostos e as nossas ideias.”

“Já tive sonhos que nunca consegui esquecer e que mudaram a minha maneira de pensar: alteraram a cor da minha mente, assim como o vinho altera a cor da água." 

"Entreguei-lhe o meu coração e ele se apoderou dele, destroçou-o e, depois, o devolveu."

“Ele está sempre, sempre, no meu pensamento. Não por prazer, tal como eu não sou um prazer para mim própria, mas como parte de mim mesma, como eu própria.”

“- Como você imagina o paraíso?
-Como você, quando ficava comigo”

“Seja do que for que nossas almas são feitas, a dele e a minha são iguais!”

“Nem que ele a amasse com toda a força da sua vil existência, seria capaz de amá-la tanto em oitenta anos como eu num só dia.”

“Tu me amavas que direito tinhas então de me deixar? Que direito… responde-me… por causa do miserável capricho que sentiste por Linton? E quando nem a miséria, nem a degradação, nem a morte, nem nada que Deus ou satanás pudesse infligir-nos poderia separar-nos, tu, por tua própria vontade, o fizeste. Eu não parti o teu coração… foste tu que o quebraste, e, quebrando-o, quebraste também o meu. E tanto pior para mim, que sou forte. Tenho eu necessidade de viver? Que vida será a minha quando… Oh! Deus! Terias tu vontade de viver com tua alma metida num túmulo?”

"Duas almas diferentes, tal como o sol e a lua. Ou o gelo e o fogo."


P.P.S: Acho que Arms , da Christina Perri, diz muito sobre o romance.





Top 5* Vídeos da Semana

Hi, my lovely friends! Neste domingo, trago para vocês alguns dos vídeos que vi nessa semana! Enjoy ;D


- Se For Pra Tudo Dar Errado - Tópaz
Gente, o clipe é lindo!




- Cover de As Long You Love Me - Ordinarius


- Piscar o Olho - Tiê



- Titanium Instrumental - The Piano Guys



- For The Honor - Elevation Worship



Bônus
- Cover kid de We Are Never Ever Getting Back Together


Movie* Os Miseráveis

Hi, my lovely readers! Eu estava LOUCA para assistir Os Miseráveis, não resisti e acabei conferindo-o pela internet mesmo. Vamos ver o que achei do musical?

Os MiseráveisSinopse

Adaptação de musical da Broadway, que por sua vez foi inspirado em clássica obra do escritor Victor Hugo. A história se passa em plena Revolução Francesa do século XIX. Jean Valjean (Hugh Jackman) rouba um pão para alimentar a irmã mais nova e acaba sendo preso por isso. Solto tempos depois, ele tentará recomeçar sua vida e se redimir. Ao mesmo tempo em que tenta fugir da perseguição do inspetor Javert (Russell Crowe).

Fonte: Adoro Cinema

Esse musical é simplesmente FANTÁSTICO! Woow, eu nunca fiquei tão impressionada com um filme desse tipo!
São raríssimas as falas em que os personagens não estão cantando, então o espectador pode deliciar-se com a música o tempo inteiro. 
O filme se inicia com vários prisioneiros entoando uma canção de que gostei muito, entre estes encontra-se o ilustre Jean Valjean. O protagonista ganha liberdade condicional, mas é maltratado por todos, por se tratar de um pobre prisioneiro.
No entanto, depois de apanhar... um padre o acolhe e lhe dá o que comer, além de um lugar para dormir.
A mente de Valjean está recheada de muita dor e revolta contra tudo e todos, creio que principalmente, em relação a Deus e à sociedade hipócrita que o condenou tanto, por ter roubado um mísero pedaço de pão para sua sobrinha que estava morrendo.
O homem está desesperado, o sofrimento corroeu suas esperanças e endureceu seu coração. Assim, Valjean, num ato de desespero, rouba objetos valiosos do padre e foge.
A polícia o captura, mas para surpresa de Valjean... o bondoso padre o livra da prisão.
Desta forma, nosso herói conversa com Deus e decide mudar de vida, recuperando todos os sentimentos e valores que outrora tivera, ele rasga seu documento de prisioneiro e ... Anos se passam.
Conhecemos a corajosa e sofredora Fantine (vivida pela diva Anne Hathaway), uma trabalhadora que dá tudo de si (literalmente) para poder sustentar sua filha Cosette que vive sob a tutela de um casal de trapaceiros sem vergonha na cara (mas que são extremamente engraçados, interpretados muito bem pela diva Helena Bonham Carter e Sacha Baron Cohen).
Mas a vida é dura com a moça, algo inesperado acontece... e a partir daí, só vemos desgraças ocorrendo com ela... o que me angustiou bastante.
Nesse momento do filme, Anne Hathaway entoa a clássica I dreamed a dream.
Eu chorei HORRRORES!
Ela atuou de forma brilhante, podemos sentir a emoção da personagem e da canção, em uma sincronização perfeita.
Destinos se cruzam, coisas inesperadas acontecem... 
Não vou contar o quê!!! Haha...
Mas posso dizer que Valjean torna-se uma pessoa importante e de coração bondoso, de alguma forma... ele acaba com a guarda de Cosette (que depois de grande, é interpretada pela linda Amanda Seyfried).
O enredo então, mostra o contexto da França... prestes a sofrer outra revolução. Os jovens e o povo se veem revoltados com aqueles que detém o Poder. 
As injustiças serão cessadas? O povo conseguirá a liberdade e igualdade?
Creio que o conteúdo do musical me mostrou uma bela crítica ao Sistema, eu também fiquei indignada com a atitude dos poderosos em relação aos humildes! Não pude suportar as coisas as que o povo tem de se sujeitar, enquanto a elite vive de regalias! Fantine.. oh, será uma personagem marcante para mim. Sua trágica vida foi tão trágica, só porque não nasceu em berço de ouro.
Por outro lado, me compadeci com a personagem Eponine (filha do casal que "cuidou" de Cosette, enquanto esta era criança)... O papel dela é tão emocionante! Me identifiquei um pouco. A moça ama o personagem Marius, mas este é apaixonado por Cosette..
Gente, a canção dela é totalmente... algo que eu cantaria haha!
Acho que todos já estivemos nessa situação, amor não correspondido... 
Mas o fim de Eponine é ... como diz a canção de Taylor Swift " sad beautiful tragic".
Porém, a meu ver, ela é uma das grandes estrelas desse musical!
O final é lindo!!! Chorei de novo...
Pela primeira vez, não fiquei prestando mais atenção no casalzinho da trama (Cosette e Marius) do que nas grandes histórias em volta rs.
As vozes dos atores são realmente música para os ouvidos. Gostei da interpretação de todos. Até mesmo a praga do inspetor Javert é um personagem cativante.
No final das contas, acho que no coração de cada um que assistir.. fica a mais bela mensagem de todas.
Ame, sonhe e lute sempre pelo amor (seja por seus familiares/amigos ou pelo seus companheiros, seres humanos...).
Assistam!!!! O filme estreia hoje nos cinemas de todo o Brasil!

P.S: Eu hei de ler o grande livro escrito por Victor Hugo! Oui!


Eis aqui a canção interpretada divinamente pela Anne:


P.P.S: Aqui estão alguns dos prints que fiz: