Movie* O Espetacular Homem-Aranha

 Hi, my friends! Ontem fui ver "O Espetacular Homem-Aranha" (The Amazing Spider-Man)   com minhas BFFS <3 Gente, o que seria de nós sem amizades? Elas se juntaram para me tirar do fundo do poço haha, sem contar a Pam que veio até a minha casa mesmo doente, me dar colo e me animar! Obrigada!! Deus é bom demais :)
Mas, devo admitir que ver o Andrew Garfield me deixou bem mais alegre haha (eu estou apaixonada, é sério...)! Bom, aí vão os detalhes!

Sinopse

A trama reconta a história de Peter Parker (Andrew Garfield), um estudante rejeitado por seus colegas e que foi abandonado por seus pais ainda criança, sendo então criado por seu Tio Ben (Martin Sheen) e pela Tia May (Sally Field). Como muitos adolescentes, Peter tenta descobrir quem ele é e como tornou-se a pessoa que é hoje. Peter também está começando uma história com sua primeira paixão, Gwen Stacy (Emma Stone), e juntos eles lidam com amor, compromissos e segredos. Quando Peter descobre uma misteriosa maleta que pertenceu a seu pai, ele começa uma jornada para entender o desaparecimento de seus pais - o que o leva diretamente à Oscorp e ao laboratório do Dr. Curt Connors (Rhys Ifans), antigo sócio de seu pai. Procurando por respostas e uma conexão, Peter comete um erro que o coloca em rota de colisão com o alter-ego do Dr. Connors, O Lagarto. Como Homem-Aranha, Peter tem que tomar decisões que podem alterar vidas, para usar seus poderes e moldar seu destino de se tornar um herói.
No elenco estão Andrew Garfield (Peter Parker), Emma Stone (Gwen Stacy), Rhys Ifans (Curt Connors), Sally Field (Tia May), Martin Sheen (Tio Ben), Denis Leary (George Stacy), Campbell Scott (pai de Peter), Julianne Nicholson (mãe de Peter), Irrfan Khan (o vilão Van Atten), entre outros. Fonte: Omelete


O filme se inicia com um Peter criança olhando assustado para o pai fugindo da casa onde moravam. Sem entender nada, ele é deixado aos cuidados da Tia May e do Tio Ben. Os anos passam, Peter cresce e vira Andrew Garfield haha (.-.) um adolescente diferente dos demais, afinal de contas ele é nerd, boa gente, humilde, quietão e desajeitado (qualquer semelhança comigo é mera coincidência). O coitado é humilhado pelo fortão popular Flash (um imbecil) o tempo inteiro e acaba levando uma surra dele após defender um garoto. Além disso, Peter ainda tem de lidar com a morte dos pais e a paixão platônica pela Gwen (linda Emma Stone). Uma reviravolta acontece na vida desse jovem "sem graça" e muda toda a sua história. O legal é que tudo começa com uma maleta velha que ele encontra no sótão de sua casa *O* (as grandes mudanças da vida sempre começam com algo aparentemente comum). Peter começa a conhecer mais acerca do pai e da experiência científica na qual este estava trabalhando com o Dr. Connors.
O rapaz acaba dando um jeito de ir verificar a história direito até que outra coisa acontece e o transforma em Homem-Aranha! De repente, o adolescente nerd e fraco vira um herói cheio de habilidades. Mas, ocorrem tantas reviravoltas! Quem assistiu o antigo Homem-Aranha sabe o que ocorre com o tio Ben :/ A história é bem diferente do filme estrelado por Tobey Maguire , mas tem algumas semelhanças (como esta que acabei de citar). Após a tragédia, Peter se empenha em conseguir vingança... O que acaba lhe causando sérias consequências. Em meio a tudo isto, ele ajuda o Dr. Connors a encontrar a equação que fará com que a louca experiência de cruzamento de espécies funcione. A ideia central é livrar o mundo das deficiências através do cruzamento de DNA entre espécies que podem se auto-regenerar (eu tive essa ideia quando estava com 12 anos haha, acreditam?). Porém, tudo tem seu lado negativo... 
Um Lagartão malvado nasce e a partir daí... lascou-se! HAHA. Algumas coisas boas acontecem também, a Gwen e o Peter acabam se entendendo (ai gente, é tão fofo *-*), no entanto o pai da moça é o capitão da polícia haha que por acaso sente um ódio mortal pelo tal Homem-Aranha.
Se eu contar mais, estrago o filme! Posso garantir que o final é espetacular (assim como o Spider-Man)! O filme é eletrizante, as cenas são muito bem construídas (e lindas!). Eu assisti em 3D, teve uma parte em que eu me senti em um jogo de videogame! 
Gosto muito de ver lutas haha e amei as do filme! 
Alguns vão querer me matar, mas eu gostei mais desse do que do filme antigo!
Todos os personagens são cativantes (até mesmo o Flash ._.). No final, eu pensei que o esse Peter ia ser tão idiota quanto o Peter antigo, em relação à Gwen e à Mary Jane (respectivamente). Mas, não... esse Peter do Andrew ganhou meu respeito!
E a Gwen é bem mais ativa que a Mary Jane (que só prestava para ficar em perigo haha), ela também acaba sendo uma heroína, acho que foi isso que eu mais gostei nesse novo filme.
Oh poor Tobey >.<
Ahhh e o diretor é o mesmo que dirigiu "500 dias com ela" *--------*
Outra coisa bem legal é o fato de que a Emma e o Andrew se apaixonaram durante as filmagens e estão juntos até hoje <3  tamanha foi a química entre eles (casal lindo)!
Muita ação, algumas risadas, lágrimas, mistério..enfim, The Amazing Spider-Man é um prato cheio!
A única coisa ruim.. é que eu acabei ficando com vontade de ter um Peter Parker :/ kkkkk
LOL. Ownt, ele tem um cubo mágico no quarto (eu também tenho um *-*) !!!! 
Anyway... assistam o filme!! Super indico! Vai para minha lista de favoritos!







Feelings* Skyscraper

 Hi my lovely friends, eu estou mal. Lamento por não poder postar algo super feliz, mas já que esse é meu diário, precisava colocar nele tudo o que estou sentindo, talvez alguns de vocês possam se identificar. Estou enfrentando mais uma grande decepção, só sinto dor, virei a noite aos prantos. Estou realmente péssima. Mas, é justamente por isso que vim escrever aqui. Chegou a hora de me reerguer como um arranha céus, assim como a Demi fez. É hora de juntar os caquinhos do meu coração e construir um novo, seguir por uma nova jornada, recomeçar. Eu me lembro...e lembranças que outrora traziam alegria, hoje trazem dor. 
Necessito de muita força para me levantar do chão e parar de chorar. Eu estava tão feliz por conta da excursão, até que me deparei com uma notícia que acabou comigo.
A vida tem dessas coisas, você tem que aguentar o tranco. Sabe, costumo ser muito forte... mas dessa vez cedi e me entreguei ao fundo do poço. No entanto, depois de passar um dia inteiro assim, decidi que está mais do que na hora de me consertar. 
Não será fácil, mas ficar aqui lamentando não vai adiantar nada. O tempo não para. Deus está comigo, juntos retornaremos à caminhada da vida.
Costurei os caquinhos, as cicatrizes são visíveis, eu ainda manco, estou um pouco fraca.
Olho para as minhas botas de combate, sou uma guerreira... enfrentei todos esses obstáculos, tiros para todos os lados, uma bala me acertou em cheio bem no coração. Eu caí, fiquei intacta sangrando no chão gelado por horas e horas. Enquanto isso, minha vida inteira passava pela minha mente. Lágrimas e mais lágrimas vinham e lavavam meu rosto. De olhos inchados, eu me levantei e vou caminhando com dificuldade... seguindo não sei para onde, mas tendo a certeza de que estou sendo guiada para um bom caminho, pois Jesus Cristo é o meu guia. 
Não vou mais olhar para trás, hora de me reinventar. Deus, parece que é um pesadelo, ainda não consigo acreditar no que aconteceu. 
Sempre fui uma garota resistente, determinada e dotada de muita fé. Por isso vou crer que isso aconteceu por uma boa causa. Um dia, eu olharei para o que passei e sorrirei. Um dia, serei muito feliz no tocante às estas questões. Agora só quero seguir cuidando um pouco de mim mesma, pois estou muita ferida. Conto com a ajuda de Deus, amigos e familiares, o que me deixa extremamente feliz. Não vou mais chorar porque não saiu como planejado, não vou mais lamentar dizendo que foi injustiça. Vou seguir, quietinha no meu canto... juntando caquinhos e me reerguendo like a skyscraper \o





Feelings* Dê um tempo

Hi, my lovely readers! Me ausentei por alguns dias, pois fui fazer uma viagem a um grande evento católico ^^ Foi maravilhoso, voltei renovada (depois conto mais)! Acho que esse meu sentimento de renascimento é que me motivou a escrever esse post. Na verdade, tenho vários posts programados haha, mas estou um pouco cansada (cheguei ontem de madrugada). O que não quer dizer que o post não seja importante, pelo contrário! 
Muitas vezes nos encontramos em situações bem difíceis, nos sentimos no fundo do poço e parece que o sofrimento nunca mais irá cessar, tudo parece sem vida e nos sentimos perturbados e angustiados, o que fazer? Há o que fazer?
Depois de passar por vários momentos assim, aprendi que minha sister Pam tem toda a razão: às vezes, tudo o que precisamos é de um tempo.
Sim! É preciso tirar um tempo só para você, um tempo em que você deve se desligar do mundo lá fora, pode ser por um dia ou dois, você merece isso. 
É necessário que nesse tempo, não pensemos em nossas aflições, frustrações, anseios, passado, futuro etc. Nesse período, temos que pensar somente naquele momento, aproveitar cada pequena alegria de estar consigo mesmo e com Deus. 
Você pode passar esse tempo fazendo o que gosta, é como se fosse umas férias :)
Tire um dia para ficar longe da internet, leia um livro que gosta, assista filmes, curta a família, vá pescar, caminhar, dançar, fique sem fazer nada, escreva, durma, ouça música... enfim, faça o que você mais gosta de fazer! Esse é um tempo em que você passará somente consigo mesmo, sem exigências do mundo. 
Tire um dia para conhecer-se melhor, descobrir quais são seus reais sonhos, suas reais convicções, valores, atitudes...
Você verá como as coisas melhorarão, pode apostar!
Não tenha pressa, permita-se dar um tempo! Um tempo às preocupações e tormentos da vida. Às vezes, é necessário dar uma parada na estrada para ponderar e descobrir qual o melhor caminho para seguir. 
Tire a carroça das costas só por um momento...
Quando você voltar, pode apostar que as coisas estarão diferentes. Sabe por quê? Porque você estará mudado. 
Você se transforma, o mundo se transforma... simples assim. Mas, é bem lógico. O mundo é visto através de seus olhos, sendo assim, se seus olhos se modificam... o mundo consequentemente será modificado! 
Eu escolhi dar um tempo, resolvi passar esse período ao lado de Deus, graças ao Acampamento PHN, em que jovens (não apenas, mas a maioria é) católicos se reúnem para  passar uma semana ao lado do Senhor. Infelizmente, só pude ficar por dois dias. Mas, foi o suficiente para voltar renovada.
Nesse tempo, não entrei na internet, não assisti TV, não usei o telefone, não li livros etc. Passei-os longe de casa, mas junto de grandes amigos e fazendo algo realmente maravilhoso. Conversando com Deus, agradecendo-o, cantando e dançando para Ele, conhecendo-o melhor. Nenhuma angústia veio, nenhum problema me chateou, nenhum pensamento negativo me veio à cabeça, nenhuma ansiedade, nenhum desespero. Eu fiquei em paz e muitíssimo feliz! Nesse tempo que passei lá, Deus fez uma reforma no meu coração. Era preciso que eu saísse um pouco de casa, para que Deus pudesse realizar a obra. Estou de volta e posso afirmar que meu coração foi reedificado e ficou uma belezura! 
Voltei e vejo que o mundo se transformou, eu me transformei. É bem visível a mudança, eu me surpreendo um pouco, pois não pensava que algo tão grandioso pudesse mesmo acontecer. Dei um tempo e valeu a pena! Voltei e encontrei as estradas consertadas. Parece que todas as dores passadas fazem parte de uma outra vida, é estranho haha, mas é maravilhoso. Parece que eu renasci, as coisas estão mais claras na minha mente e no meu coração. A Pam estava coberta de razão, nada como tirar um tempo!! Eu devia ter feito isso há séculos!
Você não precisa fazer como eu, ir a um evento católico para ser renovado, se não puder. 
Dá para tirar um tempo em qualquer lugar, pode ser até mesmo aí na sua casa. 
Você saberá o que fazer (e o que não fazer) ;)  Basta se permitir.
Solte as mãos da rédea por alguns momentos, é hora de descansar um pouco, se não, não vai dar para seguir :)
É como diz aquela música (que eu amo demais) que toca na cena de "De repente 30", em que a Jenna está indo para a casa dos pais, em busca do refúgio com a família:

Slow down, you crazy child.
Take the phone off the hook and disappear for a while.
It's all right you can afford to lose a day or two.
When will you realize? Vienna waits for you. 

Devagar, sua criança louca
Tire o telefone do gancho e desapareça por um tempo
Tudo bem, você pode permitir-se perder um dia ou dois
Quando você vai perceber? Viena espera por você.





Books* Especial - Holocausto

Hi, my lovely readers! Dei uma sumida, sorry :X Esse frio me faz ficar com preguiça haha. 
Mas, neste mês estou muito contente, parece que a minha disposição para leitura aumentou! Só hoje devorei um livro de 366 páginas \o/. Aproveitando o pique, corri até a biblioteca do meu instituto e peguei "O menino do pijama listrado" para ler. Gente, é tão bonito! A história é ambientada na época da 2ª Guerra Mundial e conta um pouco sobre esse terrível período da história da humanidade. Então, tive a ideia de fazer um post especial sobre livros que se passam nessa época. Eu simplesmente amo o tema *-* sem dúvida é a parte de História que eu mais gosto de estudar. O sofrimento dos judeus e de outras pessoas causado por conta de um homem mesquinho me compadece demais.
Por isso, eis os livros que já li acerca da terrível época do terror de Hitler.

- A menina que roubava livros - Marcus Zusak

A Menina que Roubava LivrosEntre 1939 e 1943, Liesel Meminger encontrou a Morte três vezes. E saiu suficientemente viva das três ocasiões para que a própria, de tão impressionada, decidisse nos contar sua história, em "A Menina que Roubava Livros", livro há mais de um ano na lista dos mais vendidos do "The New York Times". Desde o início da vida de Liesel na rua Himmel, numa área pobre de Molching, cidade desenxabida próxima a Munique, ela precisou achar formas de se convencer do sentido da sua existência. Horas depois de ver seu irmão morrer no colo da mãe, a menina foi largada para sempre aos cuidados de Hans e Rosa Hubermann, um pintor desempregado e uma dona de casa rabugenta. Ao entrar na nova casa, trazia escondido na mala um livro, "O Manual do Coveiro". Num momento de distração, o rapaz que enterrara seu irmão o deixara cair na neve. Foi o primeiro de vários livros que Liesel roubaria ao longo dos quatro anos seguintes.E foram estes livros que nortearam a vida de Liesel naquele tempo, quando a Alemanha era transformada diariamente pela guerra, dando trabalho dobrado à Morte. O gosto de roubá-los deu à menina uma alcunha e uma ocupação; a sede de conhecimento deu-lhe um propósito. E as palavras que Liesel encontrou em suas páginas e destacou delas seriam mais tarde aplicadas ao contexto a sua própria vida, sempre com a assistência de Hans, acordeonista amador e amável, e Max Vanderburg, o judeu do porão, o amigo quase invisível de quem ela prometera jamais falar. Há outros personagens fundamentais na história de Liesel, como Rudy Steiner, seu melhor amigo e o namorado que ela nunca teve, ou a mulher do prefeito, sua melhor amiga que ela demorou a perceber como tal. Mas só quem está ao seu lado sempre e testemunha a dor e a poesia da época em que Liesel Meminger teve sua vida salva diariamente pelas palavras, é a nossa narradora. Um dia todos irão conhecê-la. Mas ter a sua história contada por ela é para poucos. Tem que valer a pena.Fonte: Skoob
Eu ganhei esse livro da minha prima Alessandra e realmente valeu a pena ter lido! "A menina que roubava livros" é uma daquelas obras de que todos já ouvimos falar. Por que isso? Porque é simplesmente incrível! Para começar, temos uma narradora um tanto quanto diferente, sim, é a Morte quem narra a história da pequena Liesel. Li já faz alguns anos, mas lembro bem da história. Imagine viver em uma época tenebrosa quanto esta. Imagine ser apenas uma criança e ter que morar com dois completos desconhecidos. Liesel estava diante de uma situação bem complicada, testemunhara a morte do irmão, separou-se da mãe e não podia compreender o porque de tudo aquilo. Não havia ninguém para explicar-lhe, não havia com quem conversar. Mas, graças aos céus, ela encontrou um instrumento muito poderoso, eu diria mais, diria que encontrou um amigo: o livro. 
A forma como a garota se relaciona com esse objeto é muito interessante. Acho que uma das coisas que mais apreciei nessa obra, é a importância que o autor concede ao livro. É extremamente bom conhecer o cotidiano da garota e de Hans e Rosa, me afeiçoei demais aos dois. Hans é um amor de pessoa, enquanto Rosa tem um gênio difícil, mas tem um grande coração (aprendi alguns xingamentos em alemão, com ela haha). Conhecemos o incrível Rudy *-* a amizade que Liesel nutre com o garoto é tão linda, os dois tornam-se companheiros, confidentes e nutrem um amor puro. A Alemanha encontra-se em um estado terrível (graças ao infeliz do Hitler), quem conhece a história da 2ª Guerra pode imaginar. Era necessário que em todas as lojas houvesse um retrato do "Führer", e as pessoas deviam sempre fazer aquela odiosa saudação "Heil Hitler!". O cotidiano de Liesel é composto por coisas terríveis também, coisas que também aconteceram com alemães. Além disso, os Hubermann concedem abrigo ao judeu Max (que é simplesmente maravilhoso). A garota presencia algumas exibições dos massacres contra judeus e também vê a absurda queima de livros promovidas pelo bigodinho. A história é linda, doce, repleta de realidade mas construída de forma delicada. Liesel me encantou e a meu ver, a Morte é uma narradora espetacular. Sim, eu chorei muito. Emocionante e fantástico, leiam!

Quote: "Não ir embora: Ato de amor e confiança."


- O diário de Anne Frank - Anne Frank
O Diário de Anne Frank12 de junho de 1942 - 1° de agosto de 1944. Ao longo deste período, a jovem Anne Frank escreveu em seu diário toda a tensão que a família Frank sofreu durante a Segunda Guerra Mundial. Ao fim de muitos dias de silêncio e medo aterrorizante, eles foram descobertos pelos nazistas e deportados para campos de concentração. Anne inicialmente seguiu para Auschwitz e mais tarde para Bergen-Belsen."Fonte: Skoob
ESPLÊNDIDO, essa é a palavra que define o diário da jovem Anne Frank. Para quem não sabe, a Anne de fato existiu e esse é um diário real que carrega os relatos de uma pequena judia vítima do holocausto. É realmente muito interessante ler o diário de alguém, e ainda mais impressionante é conhecer o sofrimento judeu sob os olhos de uma adolescente de 13 anos. Grande parte dos meus amigos dizem ter receio de ler essa obra porque pensam que é algo muito forte e triste. Eu não sou fã de histórias tristes, como sempre comento no blog, mas resolvi encarar o desafio de ler o diário da Anne. E não achei que o livro é tão forte e triste, aliás, achei-o bem divertido e senti grande alegria ao lê-lo (exceto no final :S). Sabe por quê? Porque Anne é um exemplo de vida, mesmo estando em uma situação tensa, escondida juntamente com a família como se fossem ratos, a menina não deixou de ter esperanças, não entregou-se à tristeza, pelo contrário... era sempre otimista e divertida. Foi incrível conhecer o dia-a-dia de Anne e seus familiares diante daquela situação horrorosa, o que fizeram com esse povo é realmente desumano. A jovem teve de ficar escondida no anexo de um escritório (pertencente a alguns amigos da família), juntamente com sua mãe, pai, a irmã e mais outra família judia. Imagine como é viver dese jeito, sem poder sair, tendo que ficar todos os dias dentro de um lugar pequeno, fazendo as mesmas coisas, sem perspectiva de liberdade! Mas, antes isso do que ficar em um campo de concentração. A família Frank teve um pouco de sorte, mas não foi o suficiente para salvá-los, infelizmente.
Mas, existem pessoas que conseguem tirar o melhor de situações ruins e com certeza, os Frank (sobretudo Anne) faziam parte deste grupo. Eles encontravam meios de se divertir, estudando sobre as mais diversas coisas, viajando através de livros... entre outros.
Anne conta não apenas sobre o cotidiano do grupo, como também fala sobre coisas bem íntimas, afinal está com 13 anos de idade e é obvio que escreveria no diário sobre suas dúvidas típicas da idade e sobre sentimentos. Eu comparei o meu diário com o dela e percebi que (é claro) há muitas coisas diferentes, mas há muitas coisas iguais... Anne era uma adolescente como eu. Também se sentia sozinha mesmo em meio a muitas pessoas, também sentia dúvidas sobre o que as pessoas pensavam dela etc. Chorei, ri, me enraiveci, me identifiquei com ela. Mas, no fim dos relatos... desabei. Anne havia tornado-se minha amiga e saber o que aconteceu com ela, foi terrível. No entanto, olha só Anne, você pensou que jamais iriam dar importância aos relatos de uma garotinha de 13 anos, haha seu diário virou um clássico. Exemplo de vida *-*


Quote: "Enquanto puderes erguer os olhos para o céu, sem medo, saberás que tens o coração puro, e isto significa felicidade". 


- O menino do pijama listrado - John Boyne 
O Menino do Pijama ListradoBruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os Judeus. Também não faz idéia de que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos de que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e, para além dela, centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com um frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. "O Menino do Pijama Listrado" é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.Fonte: Skoob
Terminei de lê-lo recentemente. Preciso ver o filme!! O livro é curto e a narrativa é bem gostosa, conhecemos a história sob o ponto de vista do pequeno Bruno. Desta forma, a descrição da situação das coisas é toda especial, é o jeito criança de ver as coisas, aquele jeitinho inocente e curioso. Vez ou outra vemos sob os olhos de outros personagens, mas é através de Bruno que de fato mergulhamos no cotidiano da família de alemães. O garotinho fica extremamente chateado em ter de mudar para um lugar longe de seus melhores amigos, dos cafés, da agitação e da feira de legumes e verduras de Berlim. Ele simplesmente ODEIA o novo "lar", a casa de "Haja-Vista". Por que ele teve de se mudar? Tudo por culpa do "Fúria" que era o chefe de seu pai. Eu ri demais, pois o autor emprega até mesmo o linguajar infantil, ao invés de dizer Führer, Bruno fala "Fúria" haha. A narrativa é simplesmente apaixonante, eu me encantei com o protagonista. Ele não faz ideia do lugar onde está e do que o pai faz. Da sua janela, Bruno vê um local estranho composto por várias casinhas onde encontram-se várias pessoas com caras infelizes vestindo a mesma roupa, um pijama listrado. Confuso diante da situação, o menino até tenta perguntar para sua irmã mais velha Gretel (que ele chama carinhosamente de "Caso perdido" hahaha) o que raios estava acontecendo, mas a irmã tão pouco sabia (por mais que quisesse bancar a sabe-tudo experiente). No decorrer do livro, vamos descobrindo mais coisas juntamente com Bruno que tem o anseio de se tornar explorador. Certo dia, ele decide investigar o tal "Campo de Haja-Vista (Aushwitz, creio eu)" e encontra um garoto de sua idade, o judeu "Shmuel". É realmente muito bonita a amizade que ambos vão construindo *-* Também conhecemos mais acerca de outras personagens interessantíssimas e sobre o Fúria. O crime horrível do holocausto é mais uma vez relatado (assim como nos outros livros citados) do jeito de Bruno. 
Creio que o livro é inteligentíssimo, bonito e emocionante. O final é realmente surpreendente e de fato, causa um grande impacto. Sim, chorei também.


Quote: "Uma coisa é certa: ficar sentado se sentindo infeliz não vai mudar nada". 


- É isto um homem? - Primo Levi 
É Isto um Homem?Neste clássico da literatura contemporânea, Primo Levi dá um testemunho pungente de uma tragédia que afetou milhões de pessoas. Considerado o mais belo livro já escrito sobre a existência massacrada dos judeus deportados, É isto um homem? Não é, no entanto, um relato carregado de ódio e vingança. Desprovidos de saúde, os judeus nos campos de extermínio dificilmente poderiam ser identificados com os homens que eram antes da tragédia. Muito menos seus algozes sem rosto, se nhores de escravos, mas sem vontade própria, num campo de morte onde ela, afinal, era o menor dos males.Fonte: Skoob
Aí está outro relato verdadeiro, mas desta vez, vindo de um sobrevivente do Holocausto. Tive de ler esse livro para uma disciplina do meu curso e foi simplesmente fantástica a experiência de vivenciar essa leitura. Gostei tanto, que até fiz um ensaio sobre o livro *-*
Primo Levi descreve com precisão os terríveis dias passados no campo de concentração de Aushwitz, o modo como os soldados cruéis tratavam os judeus, o modo como essas pessoas se sentiam sendo tratadas como nada, como números, seres sem identidade. 
Devo admitir que é um relato riquíssimo, porém tenso. Eu me emocionei com todo o sofrimento de Levi e outros companheiros SERES HUMANOS, me revoltei com cada uma das atrocidades de Hitler! Acho que foi uma atitude realmente legal escrever um livro contando sobre isso tudo. Levi acabou dando voz aos milhares de judeus que foram assassinados. Depois dessa terrível guerra, as pessoas ficaram traumatizadas, a realidade caiu na cabeça de todos como uma grande pedra de mármore. Nada mais fazia sentido, o medo ainda os perseguia, não havia tempo para nada além da realidade. Sorrir? Difícil.
Escrever foi a forma que Levi encontrou de reconstruir sua identidade e restabelecer-se enquanto ser humano. O que acabou sendo algo realmente muito produtivo, não apenas para ele, como para todos os seus leitores *-* Vale a pena ler!

Quote: "
Estamos transformados nos fantasmas que havíamos deslumbrado na noite passada. Então pela primeira vez nos demos conta de que nossa língua não tem palavras para expressar esta ofensa, a destruição de um homem. Em um instante, com intuição quase profética, a realidade nos é revelada: chegamos ao fundo. Mais fundo que isso não se pode chegar: uma condição humana mais miserável não existe tampouco se pode imaginar. Não temos nada nosso: tiraram-nos as roupas, os sapatos e até os cabelos; se falarmos, não nos escutarão, e caso nos escutassem, não nos entenderiam. Até mesmo o nome nos tiraram: e se quisermos conservá-lo deveremos encontrar dentro uma força arquitetada de tal maneira que, atrás do nome, algo nosso, algo do que um dia fomos, enfim permaneça".

É isso pessoal, se tivessem deixado Hitler ingressar na faculdade de Arte, talvez tudo isso não tivesse acontecido...

P.S: Vou fazer um post especial com Quotes de "O diário de Anne Frank", fiquem ligados ;)

Book* Querido John - Nicholas Sparks

Hi, my lovely readers! Estou surpresa comigo mesma, devorei "Querido John" em tempo recorde! Estava louca para lê-lo, pois todos haviam me falado que era incrível, porém triste. Eu precisava estar emocionalmente estável para lê-lo, a hora certa chegou e voilá, contarei o que achei ;)
Querido John
Sinopse 
Nicholas Sparks, autor número 1 de best-sellers, traz agora uma história inesquecível de um jovem que tem que tomar a decisão mais difícil de sua vida, em nome de seu grande amor.“Querido John”, dizia a carta que partiu um coração e transformou duas vidas para sempre.Quando John Tyree conhece Savannah Lynn Curtis, descobre estar pronto para recomeçar sua vida. Com um futuro sem grandes perspectivas, ele, um jovem rebelde, decide alistar-se no exército, após concluir o ensino médio. Durante sua licença, conhece a garota de seus sonhos, Savannah. A atração mútua cresce rapidamente e logo transforma-se em um tipo de amor que faz com que Savannah prometa esperá-lo concluir seus deveres militares. Porém ninguém previa o que estava para acontecer, os atentados de 11 de setembro mudariam suas vidas e do mundo todo. E assim como muitos homens e mulheres corajosos, John deveria escolher entre seu país e seu amor por Savannah. Agora, quando ele finalmente retorna para Carolina do Norte, ele descobre como o amor pode nos transformar de uma forma que jamais poderíamos imaginar.                     Fonte: Skoob


Ah, gente... amei o livro inteiro, é realmente muito bonito!! Mas, sinceramente? Não gostei do final :/ Ok, tem uma mensagem linda por trás, mas eu gosto de finais felizes. 
John é uma pessoa deveras interessante, na adolescência foi um grande rebelde meio que desvirtuado, gostava de beber, não estava nem aí para os estudos, era encrenqueiro, não queria nada com nada. Sua mãe o abandonou quando ele era bem pequeno, o pai o criara desde então, mas a convivência de ambos foi tornando-se difícil, pois John descobrira que sua personalidade divergia com a do pai. Eles mal conversavam, a única coisa que os ligara era o assunto sobre moedas, o Sr. Tyree tinha a grande paixão de colecioná-las e falava praticamente apenas sobre isso, gostaria que John também herdasse isso, mas chegou um tempo em que o rapaz disse que nunca mais queria saber das porcarias de moedas. 
Depois de uma adolescência turbulenta, o protagonista decide se alistar no exército e graças a essa experiência, John muda. Sendo um soldado, o moço aprende a ter responsabilidade, respeito e tudo o mais.
Até que um dia, acontece algo que iria transformar a vida de John para sempre. Ele conhece Savannah, em um dia de sol na praia. Sendo um verdadeiro cavalheiro, John salva a bolsa da moça e isso resulta... bem, no que resultou rs. 
Os dois começam a andar juntos, passam a se conhecer melhor, logo se apaixonam.
Os dias em que os protagonistas vão se conhecendo são os melhores, foi delicioso ler sobre as aventuras de John e Savannah. O modo como ambos vão se envolvendo, é uma coisa muito linda de se ler, aliás, a história é narrada por John, então temos a oportunidade de saber como ele pensa, sente. Foi realmente muito interessante ler sob o ponto de vista de um cara haha, já havia lido em "Diário de uma Paixão", mas o Noah sempre me pareceu um homem perfeito demais para ser real. No entanto, John parece mais perto da realidade. Ele não é perfeito, tem um monte de defeitos, é teimoso, não é santo, como ele mesmo diz. Mas, é uma pessoa que vai amadurecendo demais, e sobretudo, tem a incrível e rara capacidade de amar verdadeiramente. 
No decorrer da história, vamos acompanhando o cotidiano dele, sua relação difícil com seu diferente pai. O romance entre John e Savannah é muito lindo, mas também é mostrado de um jeito bem real, Sparks consegue trazer encanto até mesmo ao retratar a realidade nua. 
Tudo que é bom dura pouco, John se vê obrigado a voltar para o exército, o que aconteceria com o relacionamento que cultivara? O rapaz e Savannah decidem se comunicar por meio de cartas durante o tempo em que John ficaria distante... e também combinam algo mágico, em toda lua cheia olhariam para o majestoso satélite natural e lembrariam do maravilhoso tempo em que ficaram juntos.
Sempre acontece algo trágico que causa uma grande reviravolta nos livros do Nick, o dia 11 de setembro é o responsável pelo afastamento de John e Savannah.
Uma carta muda tudo...
A partir daí, se desenrolam difíceis dias que carregam em si, outra coisa muito bonita... o desenvolvimento do relacionamento de John com seu pai. O protagonista começa a perceber o grande homem que o criara, é realmente emocionante observar tudo isso, é na verdade... gracioso.
O livro fala sobre amor, o amor verdadeiro que tem o poder de transformar vidas. Não é apenas sobre o amor entre homem e mulher, mas o amor pela família e pelos amigos.
Eu li cada página sentindo um pouco de tudo o que John sentia, ele teve de fazer escolhas extremamente difíceis, o destino o surpreendeu de um jeito...
Eu sorri, chorei, suspirei, ri, me enraiveci...
Apreciei a descrição de cada cena em que John e Savannah passavam juntos, seja brigando ou aproveitando a vida debaixo do sol. Me deliciei com cada ação.
O Amor que John sente é realmente incrível, grandioso, puro e muito difícil de encontrar, nos dias de hoje. Aliás, eu me pergunto se isso existe. Pensando bem, conheço alguém que a meu ver, ama do mesmo jeito que John. 
Gente, esse livro é realmente incrível, traz lições valiosíssimas, mas a maior delas é aquela que diz que amar significa querer a felicidade da pessoa amada, mesmo que esta não seja ao nosso lado.
Vou ser sincera, desconfio um pouco do amor de Savannah por John..., o que torna o livro ainda mais real para mim. Não sou muito fã de livros que tratam de realidade, mas Sparks traz o melhor dessa realidade. Emocionante, surpreendente...!!!
John nos mostra reflexões incríveis sobre a vida, amadurecemos junto com ele.
O desfecho da história surpreende!
Me identifiquei com a Savannah, pois ela é uma moça toda certinha e estudiosa haha. Mas, eu no lugar dela, teria feito coisas bem diferentes.
Por outro lado, me identifiquei com o John no tocante ao amor.
Sei bem como é isso, não poder ficar junto com a pessoa amada, ter de reprimir o sentimento, sacrificar-se em favor da felicidade do outro... é tenso! 
Ler o livro, me fez entender a minha própria história. Preciso ser forte como John, mas não tão burra quanto ele (em algumas partes do livro, fuuuuuuu :@)!! LOL.
Acho que já falei demais, mas é porque me empolguei! Porém, devo dizer que esse livro não supera "Diário de uma Paixão" *--------------*
A propósito, o livro é bem parecido com o filme, embora a Savannah do livro seja morena  (não adianta, imaginei a Savannah da Amanda Seyfried e o John do lindo maravilhoso Channing Tatum haha).
Leiam!! Deixo aqui alguns dos trechos mais emocionantes do livro ;)


“A vida não é justa. Mas também aprendi que é possível seguir em frente, não importa quanto pareça impossível. Com o tempo, a dor… diminui. Pode ser que não desapareça completamente, mas depois de um tempo não é massacrante.”


“Finalmente compreendi o que o verdadeiro amor realmente significa (…) O amor significava pensar mais na felicidade da outra pessoa do que na própria, não importa quão dolorosa seja sua escolha.”

"O que significa amar verdadeiramente uma pessoa?
Houve um tempo em que eu achava saber a resposta: significa que eu iria pensar nela mais do que em mim mesmo, e passaríamos o resto de nossas vidas juntos. Não seria difícil. Ela me disse certa vez que a chave para a felicidade é ter sonhos realizáveis, e os dela não eram nada fora do comum. Casamento, família… o básico. Isso significa que eu teria um emprego etável, uma casa com cerca branca e uma minivan ou SUV grande o suficiente para levar nossos filhos à escola, ao dentista, ao treino de futebol ou recitais de piano. Dois ou três filhos - ela nunca foi clara, mas meu palpite é que quando chegasse a hora, ela deixaria a natureza seguir seu curso e Deus tomar a decisão. Ela era assim - religiosa, quero dizer - e suponho que esse tenha sido um dos motivos pelos quais me apaixoneipor ela. Independentemente do que acontecesse em nossas vidas, eu me imaginava ao fim do dia deitado na cama ao lado dela, nós dois abraçados enquanto conversávamos e ríamos, perdidos nos braços um do outro."

"Quando eu penso em você e eu e no que compartilhamos, sei que para os outros seria fácil menosprezar o tempo que passamos juntos simplesmente como um subproduto dos dias e noites à beira-mar, uma “aventura” que, a longo prazo, não sinifica absolutamente nada. É por isso que não conto às pessoas sobre nós. Eles não iriam entender, e não sinto necessidades de explicar, simplesmente porque sei em meu coração como foi real. Quando penso em você, não posso deixar de sorrir, sabendo que você me completa. Eu te amo, não só agora, mas sempre, e sonho com o dia em que você vai me abraçar novamente."

"O jeito que ela me olhou fez o passado retornar como uma avalanche e por um momento revivi cada emoção, cada esperança e cada um de nossos sonhos."

"Você não ouviu, mas eu já disse que te amo, é que foi em pensamento."

"Você quer que os outros te entendam, quando na verdade, nem mesmo você se entende."

"A única coisa que passa pela minha cabeça é que queria estar com você agora, segurando sua mão e olhando seu sorriso."


Eu não consigo parar de ouvir as lindas músicas do filme!!!!

Little House - Amanda Seyfried


Paperweight - Joshua Radin


Set the fire to the third bar - Snow Patrol feat. Marta Wainwright



Movie* A invenção de Hugo Cabret

Heey guys! Anteontem assisti um filme maravilhoso!! A tão comentada produção "A   invenção de Hugo Cabret" (em inglês "Hugo") me conquistou e mostrou a mim o porque de tanto sucesso.

Sinopse:Hugo Cabret (Asa Butterfield) é um órfão de 12 anos que vive escondido na estação central de trens de Paris dos anos 1930. Esgueirando-se por passagens secretas, Hugo cuida dos diversos relógios do lugar: escuta seus compassos, observa enormes ponteiros e responsabiliza-se pelo funcionamento das máquinas. A sobrevivência de Hugo depende do anonimato: ele tenta se manter invisível porque guarda um incrível segredo, que é posto em risco quando o severo dono da loja de brinquedos da estação e sua afilhada Isabelle (Chloe Moretz), cruzam o caminho do garoto. Um desenho enigmático, um caderno valioso, uma chave roubada e um raro autômato estão no centro desta intrincada e imprevisível história, que mistura elementos dos quadrinhos e do cinema, oferecendo uma diferente e emocionante experiência de história numa homenagem inteligente ao cinema mudo e a preto e branco, especialmente, ao precursor dos efeitos especiais e da fantasia representada no cinema, Georges Méliès.Fonte: Wikipédia

Para começar, o filme foi dirigido pelo aclamado Martin Scorsese e co-produzido pelo divo Johnny Depp, além disso, tem um elenco incrível!
De início, conhecemos o dia-a-dia do jovem Hugo Cabret na estação de trem de Paris, e logo vamos descobrindo a história desse garoto especial. 
Quando o destino do menino cruza com o de Papa Georges (o severo dono do estande de brinquedos) tudo muda. Histórias se entrelaçam, partes do mistério do autômato começam a ser reveladas e Hugo inicia uma grande aventura ao lado da sonhadora Isabelle (com a qual me identifiquei demais, já que a menina é uma bookaholic haha *-*). 
Simplesmente me encantei com toda a história, a graciosidade com que o enredo se desenrola, as personagens simples e impressionantes, o cotidiano na estação e tudo o mais.
Acho que o que dá um toque todo especial na produção é o modo como as histórias se entrelaçam e o significado que vão adquirindo conforme vamos sabendo mais.
No começo, eu fiquei sem saber direito o que raios teria de tão legal em um filme, no qual um garoto quer consertar um robô, fiquei furiosa com o velho Georges por ser tão cruel com o Hugo. Mas, depois me surpreendi. 
A história foi ganhando uma trajetória linda, a busca pela chave, o sonho de Hugo, o mistério por trás de Papa Georges.
Creio que o tema principal do filme é o "sonho", o mundo... a vida , todos esses elementos são ilustrados através da temática da máquina. Sem contar, que trata do cinema, foi incrível conhecer a história das produções cinematográficas *-*
Não obstante, "A invenção de Hugo Cabret" ainda faz uma bela homenagem aos livros, mostrando o poder mágico que uma biblioteca pode ter.


No entanto, o que mais me deixou apaixonada, foi a história como um todo, que acaba falando de pessoas e propósitos. Não nascemos por acaso, nossas vidas tem um sentindo, e é preciso que nós tenhamos propósitos para poder seguir vivendo. 
Não podemos deixar de sonhar, é do sonho que nos alimentamos, é graças à fantasia que o mundo tem tudo o que possui! Se os irmãos Lumière não tivessem fantasiado sobre algo que projetasse sonhos em tela, jamais teríamos o cinema! Se não fosse pelo sonho doido de Martin Cooper, não teríamos celulares! Por isso a imaginação é tão importante, não é conversa fiada e perda de tempo (aliás, esse foi o tema de uma pesquisa que fiz para "Psicologia e Educação" no semestre passado, quer ver? (AQUI)). 
As pessoas costumam valorizar, somente aquilo que traz coisas práticas, palpáveis, que rendem lucro. São tão inteligentes, que se matam de trabalhar, fazendo todo dia a mesma coisa, nem gostam disso, trabalham para poder viver, mas acabam não vivendo. Gastam o dinheiro recebido pagando contas e é isso o tempo inteiro. Onde está o espaço para os sonhos? O espaço para fazer coisas que gostam? Nada disso, não há tempo a perder na fantasia! Nada de cinema, nada de livros, nada de música, nada de coisas que não rendam.
Essa é a sociedade do século XXI, é uma sociedade que ainda carrega consequências da segunda guerra mundial (você deixa aquele infeliz do Hitler interferir em sua vida até hoje?). Depois de sofrerem com as terríveis atrocidades daquela guerra, as pessoas achavam que não tinham tempo a perder com bobagens (sonhos, diversão), já não liam, não contavam histórias, não iam ao cinema, só pensavam em trabalhar para "viver", era a realidade que havia sido marcada a ferra e fogo no coração desta população. 
O filme mostra isso tudo de uma forma, eu diria, lírica. Hugo é um garoto que sofreu muito, pois perdera a única pessoa que lhe restava e o amava (o pai), sendo tratado como um escravo pelo tio. Tendo que viver escondido, sozinho, em uma estação de trem, correndo do inspetor mal humorado (haha, que é uma figura! Por trás daquela imagem de durão, há um coração enorme!). Hugo não desiste de seu sonho, agarra-se à esperança e isso que o mantem vivo. O universo conspira a favor daqueles que não desistem de sonhar, mesmo em meio às adversidades. Assim, através da aventura, o garoto vai trilhando seu caminho, cumprindo seus propósitos, consertando máquinas e corações *-* Junto com o garoto, percebemos que os sonhos não podem ser esquecidos, que nunca é tarde para realizá-los, que todo dia pode ser uma aventura e que todos nós merecemos a felicidade, cada um de nós é importante para que a máquina mundo funcione e toda peça tem uma função. 


O filme é LINDO, me emocionei do início ao fim, o desfecho é fantástico!
Fiquei ainda mais maravilhada, quando descobri que George Méliès, de fato existiu! Sem sombra de dúvidas, esse filme vai para minha lista dos melhores que já assisti *-*

P.S: Sem contar que há muitos atores de Harry Potter, no elenco *-*